Curso de Formação em Drives Vocais

Início 14 de Janeiro (Domingo) – 9h30 as 17h00
Duração de 10 meses, aulas serão realizadas aos domingos (um por mês).

Presencial com Vagas Limitadas

Resumo

Desenvolvido especificamente para quem utiliza no seu canto os chamados VOCAIS DISTORCIDOS, com todas as suas exigências técnicas e estéticas, fortemente aplicadas no rock/metal, mas presentes também noutros estilos musicais, com as respectivas peculiaridades técnico-estético-vocais. Referimo-nos aos DRIVES VOCAIS, que são efeitos técnico-vocais, tanto quanto os vibratos, os melismas, as appoggiaturas, os yodels, os scat vocals, etc., sendo que eles se caracterizam tanto pela quebra da frequência fundamental da voz quanto pela quebra da continuidade do fluxo; em ambos os casos, resultando num efeito de distorção sonora.


Público-Alvo

O curso é destinado aos Professores de Canto, Instrutores de Técnica Vocal, Vocal Coach’s, Fonoaudiólogos, Otorrinolaringologistas e Cantores (Amadores e Profissionais).


Programa do Curso de Drives Vocais

Serão abordados os assuntos que seguem:

  • Os Avanços das Ciências Vocais e as suas Contribuições para o Canto e Técnica Vocal Contemporâneos.
  • O Fenômeno do Crossover Técnico-Vocal e o Canto Contemporâneo.
  • As Relações entre Estética Vocal e Técnica Vocal.
  • Sistema de Pressurização Transglótica (SPTg): Anatomia Laríngea.
    Fisiologia Biomecânica Laríngea (Sistematização Teórico-Metodológica e Introdução à Teoria da Pressurização Transglótica).
  • Técnicas de Controle do SPTg (Introdução à Teoria Antropofisiológica dos Esquemas Vocais Simples, Compostos e Sobrepostos).
  • Introdução à Teoria dos Engramas Fisiológicos (Memórias de Acesso).
  • Introdução à Teoria da Sobreposição de Memórias Musculares.
  • Introdução à Teoria da Transposição Antropológica das Memórias Musculares.
  • Introdução ao Estudo dos Drives Vocais (antropologia vocal).
  • Introdução ao Estudo Sistemático dos Drives Vocais: Definição e Quadro Atual de Classificação.
  • Contextualização Histórica e Situação Atual: Antropofisiologia dos Drives Vocais.
  • Relações entre os diferentes tipos de drives e os diferentes tipos de esquemas vocais.
  • Os Drives Vocais e as suas Matrizes Antropofisiológicas.
  • O acesso às Matrizes Antropofisiológicas por Modelagem (memórias de acesso).
  • Os Pré-Requisitos Fisiológicos para a Execução Segura dos Drives Vocais.
  • Os Pré-Requisitos Técnicos para a Execução Segura dos Drives Vocais.
  • Drives Vocais e Cuidados Específicos (manutenção das condições genéricas de saúde vocal, condicionamento laríngeo, aprimoramento técnico-vocal contínuo e usufruto das manobras de manutenção).
  • Memórias de Alerta: Drives de Hiperconstrição Glótica (Puke Up; Chainsaw / “Motosserra”; e Scooter / “Mobilete”) e Drives de Hiperconstrição Supraglótica (Puke Down).
  • Matrizes e Drives Vocais: Fry Voice, Creaky Voice, Caveman Voice, Screech/Howl Voice, Phaser Voice (Phaser/Creaky, Phaser/Phaser e Phaser/Screech), Power Creaky/Snarl Voice, Power Creaky Phaser Voice, Scream Voice (Scream/Creaky, Scream/Phaser e Scream/Screech), Power Creaky Scream Voice, Grunt Voice, Uvular Voice, Growl Voice (TVP), Growl Voice (TVA), Epiglottis/Growl Voice, Caveman Growl Voice, Power Creaky Growl Voice, Power Creaky Scream Growl Voice, Growl/Scream, Fry Inhale Voice, Creaky Inhale Voice e Pig Squeal Voice.
  • Laboratórios de Sobreposição de Memórias Musculares.
  • Laboratórios de Transposição Antropológica das Memórias Musculares.
  • Laboratórios de Aplicação de cada Drive Vocal.
  • Treinamento Percepto-Auditivo.
  • Mapeamento Técnico-Vocal e Canto Contemporâneo.

Duração e investimento

10 meses de aula (um domingo por mês)
02 módulos por aula (03 horas cada módulo)

Ínicio: Domingo, 14 de Janeiro das 9h30 as 17h00.
Investimento: R$300 por módulo (R$600 por mês)
Desconto:
R$100 por módulo para quem contratar todos os módulos.

Sobre Ariel Coelho

ArielcoelhosobreProf. Ariel Coelho é pesquisador em voz cantada desde a década de 90, cientista vocal em atuação e conferencista em congressos nacionais e internacionais sobre voz cantada, fundador e principal expoente da Antropofisiologia Vocal, sistematizador da atual fundamentação teórico-metodológica no/do processo de ensino-aprendizagem dos Drives Vocais no Brasil, autor dos webcursos “Drives Vocais: Memórias de Acesso” e “Singing On The Road”.

Cantor profissional há 26 anos, multinstrumentista, professor de canto e técnica vocal há 21 anos, fundador/presidente do Instituto Rock Voice (IRV), fundador/presidente do Instituto Brasileiro de Canto Contemporâneo (IBCC), fundador/presidente do Instituto FreeStyle Singing (IFSS), membro da The Voice Foundation (EUA), da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (SBFa) e da Fundação Otorrinolaringologia (FORL), professor do Curso de Especialização em Voz Profissional da FONOHOSP Brasil (MG), do Núcleo de Excelência em Canto da Faculdade de Música do Espírito Santo (FAMES/ES), professor-convidado do Curso de Atualização em Voz Profissional Cantada do Instituto de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço (IOCP), da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de São Paulo/SP (UNIFESP), professor-convidado do Núcleo de Perfeiçoamento em Voz (MG), da Faculdade Souza Lima (SP), do Conservatório de Música da Universidade Federal de Pelotas (UFpel/RS), das Faculdades EST (São Leopoldo/RS), da FONOARTES (RJ), da Escola Cultura de Música (GO), da Adademia do Rock (PR), do Espaço da Voz (MG), do PAINEL DA VOZ (BA), da Escola de Canto Porto Alegre (RS), do Canal CIFRACLUB, Coorientador de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs) dos Cursos de Graduação em Fonoaudiologia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e na Universidade do Estado da Bahia (UNEB), bem como do Curso de Especialização em Canção Popular: Criação, Produção Musical e Performance (Faculdade Santa Marcelina/SP – FASM); e é lead vocal das bandas CODA Classic Rock e Brazilian Pink Floyd.

Inscrição e Informações

Local

O Curso acontecerá na Let’s Rock Voice School
Rua Nelson Fernandes, 423 – Cidade Vargas – São Paulo -SP

Referência: bem próximo ao Terminal inermunicipal do Jabaquara e Metrô.